Desde dezembro de 2019, progressivamente, a pandemia criou problemas diversos na vida das pessoas. O isolamento social gera forte impacto na população em vários aspectos, especialmente efeitos psicológicos como depressão, ansiedade e compulsão alimentar.

O ser humano, ao longo de sua existência, tornou o encontro, o relacionamento entre pessoas e a festividade com abundância de comidas, momentos de lazer e plena felicidade.
Com a pandemia, estudos mostram que a população está mais ansiosa e revelam impactos no sono e hábitos alimentares.
Se você se sente ansioso com frequência, saiba que além da pandemia, a sua alimentação pode ser afetada pela ansiedade.

Alimentos que podem aumentara ansiedade e compulsão alimentar:

  • Carboidratos simples (farinha branca): arroz, pizza, massa, batata frita, pães, cereais refinados etc.
  • Açúcares e doces: bolos, biscoitos, sorvetes, sucos industrializados, etc.
  • Alimentos ultraprocessados e gorduras ruins: salgadinhos de pacote, batata frita, ketchup, margarina, salsicha, presunto e comida pronta congelada. 
Esses alimentos alteram os níveis de hormônios como insulina e adrenalina no corpo, e podem até provocar um processo de inflamação crônica. 
Essa alteração hormonal gera a compulsão no prato, pois comer repetidas vezes libera grande quantidade de neurotransmissores como a dopamina que, quando estimulada, nos dá uma sensação de bem-estar.  Portanto, quanto mais ansioso mais necessidade de comer.
  • Álcool, refrigerantes e cafeína: esses alimentos provocam um aumento no cortisol, um hormônio liberado nos momentos de estresse, e a diminuição em hormônios como a serotonina, conhecida por ser o hormônio da felicidade e humor.

Portanto, se você for ansioso, a melhor opção é evitar o consumo exagerado desses alimentos citados acima.

Alimentos que podem ajudar a reduzir a ansiedade e compulsão alimentar:

  • Ovo:  contém triptofano, aminoácido precursor da serotonina, que regula o humor e ajuda no sono.
  • Camomila: possui propriedades relaxantes e anti-inflamatórias.
  • Chocolate com alto teor de cacau: é fonte de flavanóides, que reduzem a neuro-inflamação. O chocolate amargo por exemplo, tem magnésio que ajuda a reduzir sintomas de depressão e ansiedade.
  • Castanha-do-Pará: rica em selênio, ela reduz a inflamação e melhora o humor.
  • Omega-3: é importante consumir alimentos ricos em ômega-3, como atum, salmão, sardinha, linhaça, chia, castanhas e abacate. Esses nutrientes melhoram o funcionamento do cérebro e reduzem a ansiedade.

O consume dos nutrientes aliada a uma alimentação equilibrada e a prática de atividades físicas ajudam a controlar o estresse e ansiedade e a compulsão alimentar.

Elizete Reis Bennett
Elizete Reis Bennett

Cientista Nutricional BSc ANutr

Leia mais

Esta informação foi útil?